Segunda, 19 de fevereiro de 201819/2/2018
Muito nublado
22º
23º
30º
Sao Roque Do Paraguacu - BA
Erro ao processar!
Banner topo - Ache Oferta
BRASIL
STJ substitui prisão de Nuzman por medidas cautelares
Superior Tribunal de Justiça libertou Nuzman
Carlos Cavalcante Salvador - BA
Postada em 19/10/2017 ás 19h46
STJ substitui prisão de Nuzman por medidas cautelares

Nuzman


BRASÍLIA — A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça libertou, na tarde desta quinta-feira, o ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro Carlos Arthur Nuzman, como adiantou o blog de Lauro Jardim. A prisão de Nuzman foi substituída por medidas cautelares, como a proibição de contato com outros investigados e a entrega do passaporte.


Os ministros consideram que a prisão era uma medida desproporcional. O habeas corpus foi pedido na manhã de quarta-feira. A relatora foi a ministra Maria Thereza de Assis Moura. A expectativa dos advogados é que Nuzman seja solto ainda nesta quinta-feira. Para isso, é necessário que a Justiça do Rio seja notificada da decisão do STJ até o início da noite.


Nuzman foi preso em regime temporário no dia 5 de outubro, e a prisão foi transformada em preventiva — isto é, sem prazo delimitado — na semana seguinte. Na quarta-feira, o ex-dirigente foi denunciado por corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas pelo Ministério Público Federal. Ele é suspeito de ter intermediado o pagamento de propinas para que o Rio de Janeiro sediasse os Jogos Olímpicos de 2016.


Também foram denunciados o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, o empresário Arthur Soares, o ex-diretor de operações do Comitê Rio-2016 Leonardo Gryner, o ex-diretor de marketing da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) Papa Massata Diack e o ex-presidente da IAAF Lamine Diack após as investigações da Operação Unfair Play.


Na semana passada, o desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) negou um habeas corpus pedido pela defesa do ex-presidente do COB. O desembargador destacou que há elementos que indicam uma “sofisticada conduta de corrupção”.


NUZMAN: MEMBRO DE ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA


Na argumentação dos procuradores do Ministério Público Federal (MPF), que apresentaram denúncia na quarta-feira, a compra de votos caracterizou Nuzman como parte da organização criminosa comandada pelo ex-governador Sérgio Cabral e destinada a desviar recursos dos cofres estaduais através de contratos superfaturados.


De acordo com o MPF, a vinda da Olimpíada para o Rio possibilitou contratos vultuosos — e, consequentemente, grandes desvios de recursos dentro desse esquema — para os empresários ligados ao ex-governador, entre eles Arthur Soares, principal prestador de serviços do governo do estado na gestão de Cabral.


Além dos crimes ligados à compra de votos para eleger o Rio como sede da Olimpíada, o MPF acusa Nuzman e Gryner de terem "infringido dever funcional" ao dar um desconto de 30% à LSH Barra Empreendimentos, fundo imobiliário que tinha participação de Arthur Soares e atuava na construção de um hotel na Barra da Tijuca.


O Comitê Rio-2016, do qual Nuzman era presidente e Gryner era diretor de Operações, havia feito uma reserva de acomodações no hotel, que não ficou totalmente pronto à época dos Jogos. A LSH deveria, por conta disso, pagar multa de R$ 2,3 milhões ao Comitê Rio-2016, que aceitou, no entanto, cobrar apenas R$ 1,6 milhão da empresa.


Além de corrupção passiva e organização criminosa, Nuzman também foi denunciado pelo MPF por evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Os procuradores apontaram indícios de que Nuzman tentou ocultar patrimônio, cujo crescimento chamou a atenção dos investigadores. Nos últimos anos, segundo apontou o MPF, o patrimônio de Nuzman aumentou mais de 400%. O MPF ainda destacou que Nuzman tentou retificar sua declaração de Imposto de Renda após ser deflagrada a Operação Unfairplay, em setembro, para incluir 16 barras de ouro depositadas em um cofre na Suíça.


 




 
FONTE: Extra
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

Publicidade

Churrascaria
Facebook

Publicidade

Farmácia São Roque

Publicidade

Vitória (entretenimento)
Mais lidas do mês

Publicidade

FIEB
Enquete
Se as eleições presidenciais do Brasil fossem hoje, em quem você votaria?

Bolsonaro
48 votos - 46.6%

Lula
24 votos - 23.3%

João Dória
16 votos - 15.5%

Geraldo Alckmin
4 votos - 3.9%

Aécio Neves
3 votos - 2.9%

Michel Temer
3 votos - 2.9%

Ciro Gomes
3 votos - 2.9%

Marina Silva
2 votos - 1.9%

© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium