Quinta, 14 de dezembro de 201714/12/2017
Parcialmente nublado
22º
26º
30º
Sao Roque Do Paraguacu - BA
Erro ao processar!
Banner topo - Ache Oferta
BRASIL
STJ substitui prisão de Nuzman por medidas cautelares
Superior Tribunal de Justiça libertou Nuzman
Carlos Cavalcante Salvador - BA
Postada em 19/10/2017 ás 19h46
STJ substitui prisão de Nuzman por medidas cautelares

Nuzman


BRASÍLIA — A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça libertou, na tarde desta quinta-feira, o ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro Carlos Arthur Nuzman, como adiantou o blog de Lauro Jardim. A prisão de Nuzman foi substituída por medidas cautelares, como a proibição de contato com outros investigados e a entrega do passaporte.


Os ministros consideram que a prisão era uma medida desproporcional. O habeas corpus foi pedido na manhã de quarta-feira. A relatora foi a ministra Maria Thereza de Assis Moura. A expectativa dos advogados é que Nuzman seja solto ainda nesta quinta-feira. Para isso, é necessário que a Justiça do Rio seja notificada da decisão do STJ até o início da noite.


Nuzman foi preso em regime temporário no dia 5 de outubro, e a prisão foi transformada em preventiva — isto é, sem prazo delimitado — na semana seguinte. Na quarta-feira, o ex-dirigente foi denunciado por corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas pelo Ministério Público Federal. Ele é suspeito de ter intermediado o pagamento de propinas para que o Rio de Janeiro sediasse os Jogos Olímpicos de 2016.


Também foram denunciados o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, o empresário Arthur Soares, o ex-diretor de operações do Comitê Rio-2016 Leonardo Gryner, o ex-diretor de marketing da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) Papa Massata Diack e o ex-presidente da IAAF Lamine Diack após as investigações da Operação Unfair Play.


Na semana passada, o desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) negou um habeas corpus pedido pela defesa do ex-presidente do COB. O desembargador destacou que há elementos que indicam uma “sofisticada conduta de corrupção”.


NUZMAN: MEMBRO DE ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA


Na argumentação dos procuradores do Ministério Público Federal (MPF), que apresentaram denúncia na quarta-feira, a compra de votos caracterizou Nuzman como parte da organização criminosa comandada pelo ex-governador Sérgio Cabral e destinada a desviar recursos dos cofres estaduais através de contratos superfaturados.


De acordo com o MPF, a vinda da Olimpíada para o Rio possibilitou contratos vultuosos — e, consequentemente, grandes desvios de recursos dentro desse esquema — para os empresários ligados ao ex-governador, entre eles Arthur Soares, principal prestador de serviços do governo do estado na gestão de Cabral.


Além dos crimes ligados à compra de votos para eleger o Rio como sede da Olimpíada, o MPF acusa Nuzman e Gryner de terem "infringido dever funcional" ao dar um desconto de 30% à LSH Barra Empreendimentos, fundo imobiliário que tinha participação de Arthur Soares e atuava na construção de um hotel na Barra da Tijuca.


O Comitê Rio-2016, do qual Nuzman era presidente e Gryner era diretor de Operações, havia feito uma reserva de acomodações no hotel, que não ficou totalmente pronto à época dos Jogos. A LSH deveria, por conta disso, pagar multa de R$ 2,3 milhões ao Comitê Rio-2016, que aceitou, no entanto, cobrar apenas R$ 1,6 milhão da empresa.


Além de corrupção passiva e organização criminosa, Nuzman também foi denunciado pelo MPF por evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Os procuradores apontaram indícios de que Nuzman tentou ocultar patrimônio, cujo crescimento chamou a atenção dos investigadores. Nos últimos anos, segundo apontou o MPF, o patrimônio de Nuzman aumentou mais de 400%. O MPF ainda destacou que Nuzman tentou retificar sua declaração de Imposto de Renda após ser deflagrada a Operação Unfairplay, em setembro, para incluir 16 barras de ouro depositadas em um cofre na Suíça.


 




 
FONTE: Extra
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

500 caracteres restantes

  • COMENTAR
    • Prove que você não é um robô:

Publicidade

Churrascaria
Facebook

Publicidade

Bahia (esportes)

Publicidade

Salvador
Mais lidas do mês

Publicidade

FIEB
Enquete
Se as eleições presidenciais do Brasil fossem hoje, em quem você votaria?

Bolsonaro
40 votos - 47.1%

Lula
22 votos - 25.9%

João Dória
14 votos - 16.5%

Geraldo Alckmin
4 votos - 4.7%

Aécio Neves
2 votos - 2.4%

Marina Silva
1 voto - 1.2%

Michel Temer
1 voto - 1.2%

Ciro Gomes
1 voto - 1.2%

© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium